8 de nov de 2007

As novas divas da MPB



OLHA, ELAS TANTO FIZERAM este ano que resolvi me render, assistir aos shows e aplaudir. Vanessa da Mata e Roberta Sá deram enfim um frescor à música popular brasileira. Colocando na mesma panela MPB, samba e bossa nova, as cantoras esbanjam talento, carisma e acima de tudo: vontade de fazer realmente uma música de qualidade.

Pra quem conhece, não conhece ou já ouviu falar, vale a pena pegar seu biscoito e dar uma ‘chuchada’ na trajetória das novas divas da música nacional.


Ela tem o mesmo nome que a filha de Zezé, mas - graças ao Senhor - a semelhança pára por aí. Antes de vingar na música, a mato-grossense Vanessa da Mata, 31, já foi jogadora de basquete e modelo.

O divisor de águas em sua carreira aconteceu há 10 anos, quando conheceu Chico César e com ele compôs “A força que nunca seca”, música-título do álbum que Bethânia lançou em 99 e que concorreria ao Gremlin Latino daquele ano.

A canção abriu portas para a menina de 23 anos, que passou a fazer parcerias interessantes com a própria Bethânia, Caetano Veloso, Ana Carolina, Milton Nascimento e Baden Powell, este em seus últimos acordes pelos palcos brasileiros.

Aos 26 gravou seu 1º CD, trabalho que produziu rebentos como Não me deixe só, Nossa Canção e a belíssima Onde ir (baixe agora mesmo!). Mais madura e mais consciente de seu talento, lançou seu segundo CD em 2004, onde você encontra Ai ai ai..., seu 1º sucesso nas rádios. Daí pra frente foi lapidar a voz e os arranjos até chegar em ‘Sim’, álbum lançado este ano.

Muito bem acompanhada pelos músicos-prodígio João Donato, Fernando Catatau, Pupillo (Nação Zumbi) e o guitarra doce Davi Moraes, Vanessa fez um trabalho que a coloca definitivamente na linha de frente dos talentos da MPB. Ah! É nesse CD que você encontra o hit Boa Sorte, aquele do “faz o que quer de miiiiiiiiim....”. O clipe tá aí, oh:




Roberta Sá, como você pode ver na imagem acima, não é parente da Sandra de Sá. A potiguar de 26 anos mora no Rio de Janeiro desde os 9, onde descobriu que tinha jeito para a música. Quando completou o colegial, foi pros States ‘abrir a cabeça’ e estudar canto.

Voltou, começou o curso de jornalismo e, depois de alguns testes, participou do global FAMA, reality show musical que pretendia fazer um revival dos grandes festivais de 60 e 70, formando uma academia de artistas. Não ganhou, mas ficou conhecida o suficiente para ser convidada a gravar a música A Vizinha do lado, de Caymmi, que entrou para a trilha sonora da novela Celebridades e levou Roberta direto aos estúdios.

Sua voz suave caiu como uma luva no álbum de regravações ‘Sambas e Bossas’, que tinha, entre outros, clássicos como A flor e o espinho, Essa moça tá diferente e a musa da bossa nova, Chega de Saudade. O trabalho lhe credenciou para gravar seu 1º disco, ‘Braseiro’. Puro, leve e com uma simplicidade encantadora, funciona como trilha sonora para qualquer momento da vida. Para quem ainda não ouviu nada de Roberta, sugiro começar por Pelas Tabelas, Sambo mesmo e Ah se eu vou!, pequenos primores de interpretação.

Com o sucesso obtido em seu disco de estréia, a cantora chega a seu 2º CD, o igualmente arrebatador ‘Que belo estranho dia para se ter alegria’, onde reedita parcerias com Pedro Luís (compositor e namorado) e interpreta músicas de Dona Ivone Lara (Cansei de esperar você), Moreno Veloso (Mais alguém), do próprio Pedro Luís (Girando na renda) e sua estréia no lápis, Janeiros.

Roberta mandando Ah, se eu vou!, no Canecão (RJ):





3 comentários:

Marion disse...

Eu adoro a Roberta Sá!!! Canto tanto em casa que deram um sumiço no CD, né maninho?!

Marion disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
BJ disse...

Heeeeein?

Related Posts with Thumbnails