31 de mar de 2008

Most Wanted Nowadays


PROCURA-SE:

Rapaz entre 20-27 anos. Alto (mínimo 1,75m), ombros largos, tórax e abdômen definidos. Segundo grau completo, desejável uma pós-graduação. Educado, mas com olhar, gestos e pegada de cafa. Que goste de sair para dançar - desde que seja comigo. Que tenha amigas bonitas, mas nenhuma mais do que eu. Que se vista bem, tenha carro próprio e goste de uma aventura - mas que troque tudo por um domingo de DVD ao meu lado quando eu estiver naqueles dias. Que saiba falar de todos os assuntos com desenvoltura, que converse com papai e mamãe como se fossem grandes amigos, que goste de crianças e animais. Que me ligue todo dia pra saber como eu estou, mas sem ser grudento. Que faça cafuné nos meus cabelos, carinho no meu nariz e que se contente em dormir de conchinha quando eu não tiver 'disposta'. Que me dê flores, pelúcias e bombons, mas sem propor coisas do tipo casamento, amor eterno e outras pieguices. E, se possível, que saiba cozinhar, fale mais uma língua e me leve para conhecer lugares inusitados.


PROCURA-SE:


Garota entre 16-25 anos. Loira, morena, ruiva, tanto faz - desde que os cabelos sejam brilhantes, sedosos e bem tratados. Que tenha o corpinho em cima, mas que não fique fazendo de tudo para exibi-lo (tá, vai, uma sainha de vez em quando não faz mal a ninguém). Que seja espontânea, alto-astral, bom papo, desinibida - mas que não seja a 'popzinha' da galera. Que tenha olhos úmidos, brilhantes, expressivos; que tenha um sorriso solto, gordo, cativante; que beije e abrace com intensidade - a mim e familiares. Que seja inteligente, bem-humorada, companheira. Que curta futebol, uma boa conversa de bar e jantares românticos - no Spoletto, PizzaHut ou McDonald's. Que seja amiga dos meus amigos (com uma boa distância), gente fina com meus velhos e com todas minhas amigas (sem ceninhas bestas).
Ah, o mais importante (1): que faça eu me sentir um super-herói nos momentos bunda;
Ah, o mais importante (2): que tenha uma sede de camelo perdido no Saara naquela hora que a porta fecha;
Ah, o mais importante (3): que saiba a escalação do meu time e entenda que futebol é uma paixão que ultrapassa o entendimento humano.


Depois reclamam que tá difícil de arrumar namorado(a). Ah, vá!







28 de mar de 2008

CNF: os finalistas do Paulistão

CONFORME O PROMETIDO, aqui vai o post-oráculo com as previsões de Carlton Nostradamus Fox para as finais do Campeonato Paulista.

A apenas duas rodadas da próxima fase, sete times têm chances pitagóricas de alcançar o quadrangular final. Guaratinguetá, Palmeiras, São Paulo, Ponte Preta, Corinthians, Barueri e Santos são as equipes que fizeram por merecer a chance de disputar até o talo o título do campeonato estadual mais equilibrado do país.

Como se trata de um quadrangular - e não de um heptangular - final, três dessas agremiações ficarão pelo caminho, naufragadas naquela ilhota logo ali, com areia farinhenta e seu coqueirinho estéril.

Como o papo aqui é da galera do Keep Walking, vamos aos 4 Seabiscuits:


1º lugar: GUARÁ (40 pontos)

Sem chances no Furacão, Dinei virou ídolo em Guará


Nas duas próximas rodadas, o time dos talentosos Michel e Dinei é o que tem o caminho mais fácil: enfrenta Sertãozinho (em casa) e Ituano (fora). Vence as duas com os pés nas costas e confirma a posição que quase sempre foi sua.


2º lugar: PALMEIRAS (38 pontos)


Valdívia comemora gol contra o Timão: até agora, o craque do Paulistão

Apontado precocemente como virtual campeão por boa parte da imprensa, o Verdão de Luxeburgo e Valdívia, o chileno mais brasileiro que já conheci, terá dois adversários complicados nessa reta final. Vence o São Caetano em casa e empata fora com o Barueri, time que tem a melhor campanha do campeonato jogando em seus domínios.


3º lugar: SÃO PAULO (36 pontos)


Adriano e Borges: bons com a cabeça, mortais com os pés

Mesmo sem jogar o futebol envolvente e vistoso do ano passado, o time do técnico Muricy Ramalho garantirá sua vaguinha graças ao oportunismo de sua dupla de ataque, Borges e Adriano. Um empatezinho com o Bragantino em Bragança e uma goleada em cima do Moleque Travesso no Morumbi selarão o terceiro lugar tricolor.


4º lugar: SANTOS (35 pontos)

Klébão Tatau vai pra galera: até agora artilheiro, ao lado de Pedrão

Nem Corinthians, nem Ponte Preta. O quarto eqüino a cruzar a linha de chegada é um cavalo-marinho, e atende pelo nome de Santos Futebol Clube. Sensação do campeonato, o alvi-negro praiano, que chegou a figurar entre os candidatos ao rebaixamento, seguirá na cauda do cometa que encontrou há 8 rodadas. Mesmo desfalcado, o time de Betão, Marcinho Guerreiro e do matador Kléber 'Tatau' Pereira passará por Rio Claro e Ponte Preta e se consagrará com a brilhante 4ª colocação.


Menção honrosa

Mesmo ficando de fora das finais, alguns times merecem uma homenagem neste humilde rodapé. Limitados tecnicamente, conseguiram uma posição honrosa graças aos seus bons treinadores e à doação de seus jogadores em campo.

A Ponte Preta de Renato e Elias, o Barueri de Pedrão, o Mirassol de Xuxa, o Noroeste de Edno e Leandrinho, o Bragantino de Alex Afonso e a Portuguesa de Christian fizeram boa figura no campeonato. Se não conseguiram um lugar entre os 4, ao menos deram sinais de que terão uma promissora seqüência de ano.


A fênix alvi-negra ressurge das cinzas

Os 'gêmeos' Dentinho e Lulinha: um surpreendeu, o outro decepcionou

Conforme destaquei no final do ano, o Corinthians buscou forças lá no fundo para começar de novo e montar um time que compensa a falta de inspiração ofensiva com uma defesa sólida e um grupo unido. Mano Menezes conseguiu em apenas dois meses dar padrão tático ao time, coisa que não se via desde a era Carlitos-Nilmar. As recentes chegadas dos meias Diogo Rincón e Douglas certamente dará qualidade ao meio campo alvi-negro; resta agora encontrar o parceiro ideal para Dentinho lá na frente. Resolvido este (importante) detalhe, a Segundona tá no papo.



27 de mar de 2008

Pato, o rei do couvert

Pato comemora à lá Pelé: golaço! /Reuters

ALEXANDRE PATO, agora o internacional Alex Duck, gosta mesmo de uma entrada. Em sua estréia pelo time profissional do Inter, aos 17 anos, pelo Campeonato Brasileiro de 2006, o jovem atacante não se intimidou nem um pouco com o Parque Antártica lotado, apoiando o Palmeiras e hostilizando os atletas do Colorado. Muito pelo contrário: jogou consciente, solto, à vontade. Marcou um belo gol e deu outros dois de bandeja, decretando a vitória do time visitante.

Um ano e dois meses depois, em sua estréia com a camisa do Milan, nova entrada de gala: um gol em seu terceiro lance no jogo e participação direta em outros dois, na sapecada de 5 a 2 sobre o time do Napoli. O feito lhe rendeu a foto de capa nos principais diários esportivos italianos, com a simpática nova alcunha: "Patômico".

Nessa quarta, Dunga promoveu sua 1ª entrada na seleção brasileira principal, no amistoso contra o sempre indigesto time da Suécia. Após lançamento de Anderson, o goleirão sueco saiu atabalhoado da área para interceptar a bola. Desequilibrado, espanou a pelota nas pernas de Duck, que, num movimento preciso, deu dois passos para trás e bateu de canhota, de peito de pé. A bola encobriu o goleiro e foi morrer no canto esquerdo. Uma pintura!



Com tantas jovens promessas gastando a bola (Henrique, Rafinha, Ramires, Marcelo, Hernanes, Anderson, Thiago Neves), a torcida brasileira de enche de esperanças para o tão aguardado banquete olímpico, único título que o futebol brasileiro ainda não possui. No que depender de Alexandre Pato, ao menos o couvert está garantido.



25 de mar de 2008

Aula de Estudos Sociais com a profª Melancia

DEPOIS RECLAMAM que as crianças do Brasil estão cada vez mais aéreas, vazias e precoces. Alguém aí tem um palpite?



(detalhe dos 'alunos' do primeiro minuto em diante)



24 de mar de 2008

Cultura de Bar: Popótas, Coalas e Cangurus


SOU TOTALMENTE a favor de todas as discussões produtivas, sejam elas sobre política, futebol, Big Brother ou aquele juiz ladrão que passou a mão no último jogo. Confesso que prefiro os debates ao vivo, que favorecem o calor do movimento, do olhar convicto e do desarme ideológico. Ao vivo e a cores podemos gritar, ironizar, sapatear e pedir 6 no truco sem a menor piedade da mesinha vermelha da Brahma e do casal ao lado que discute pela milésima vez a relação capenga.

Por falar em mesinha vermelha da Brahma (o merchan fica por conta da casa), não há nada como as deliciosas discussões de bar. Despidas da máscara quase-sempre-necessária no dia-a-dia corporativo, elas suscitam debates interessantíssimos, e são as grandes responsáveis pela semente de algumas das maiores letras de música, poemas e atitudes da história pós-cavernas.

E pra abrir a tampinha do Cultura de Bar, convido o hipopótamo, o coala e o kan-ghu-ru para sambarem com a gente no Happy Hour que vale por um xaveco!

NEM O LEÃO, nem o jacaré. Nem a cobra, e muito menos o tubarão. Após uma série de estudos, cientistas constataram que o animal que mais mata humanos é o hipopótamo.

Sua aparência pacata e bonachona disfarça bem a verdadeira intenção do bicho quando ele abre aquela bocarra ao notar a aproximação de alguma pessoa: mostrar suas poderosas e destrutivas presas.

De acordo com o biólogo Guilherme Domenichelli, do zoo de São Paulo (em entrevista para o portal Terra), as principais vítimas dos popótas, que além de gorduchos são extremamente territorialistas, são as populações ribeirinhas do continente africano, que navegam inocentemente pelos rios em pequenas canoas que são consideradas uma ameaça pelos 'cavalos das águas'.


ESSA VAI DERRUBAR muito macaco do galho: os coalas (aqueles bichinhos australianos fofos e peludinhos), ao contrário do que 99,9% da população pensa, não são ursos. Não são sequer parentes deles. Esses simpáticos marsupiais são na verdade primos distantes dos cangurus e, assim como os outros membros da família, carregam os filhotes dentro da bolsa até uma certa idade.

A palavra ‘koala’ vem de uma língua aborígene australiana e significa ‘animal que não bebe’. Seriam eles descendentes dos camelos? Máomeno: o apelido foi dado porque eles quase nunca bebem água, já que ingerem a maior parte do líquido que necessitam das folhas de eucalipto, sua principal fonte de alimentação.

Se fossem humanos, esses ursinhos-preguiça se amarrariam numa balada: nos raros momentos em que não estão como na imagem acima, os coalas têm hábitos noturnos. Nas outras 18 horas do dia eles ficam pendurados nas árvores, puxando um ronco.


QUANDO OS CONQUISTADORES ingleses chegaram à Austrália, há muitas e muitas décadas, se assustaram ao ver uns animais esquisitíssimos que davam saltos incríveis. Imediatamente, chamaram um nativo (ao contrário dos latinos, os aborígenes australianos eram super dóceis) e perguntaram qual era o nome do bicho.

O índio sempre repetia, fazendo bico: 'Kan Ghu Ru', ao que os estrangeiros prontamente adaptaram para o inglês, 'kangaroo' (canguru). Muitas luas depois, os lingüistas entendidos descobriram o real significado do termo, que era muito claro. 'Kan Ghu Ru', na língua dos aborígenes, quer dizer: 'Uga! Mim não entende bulhufas do que homem branquelo fala pra índio'.

*Imagens da LatinStock

CNF: Fener, Barça, Liverpool e Red Devils

DESDE QUE FOI divulgada a tabela dos confrontos pelas quartas-de-final da Liga dos Campeões Europeus, a galera não pára de encher minhas caixas de emails, SMS e correio. Meu scrapbook no orkut, então, tá uma feira. Tudo isso para saber do venerado mestre Carlton Nostradamus Fox qual é o quarteto que passará para a próxima fase.

Pois bem: aqui vai o post que revelará, amiúde, as agremiações que escreverão seu nome na história do torneio como os semi-finalistas da temporada 2007/08. Mas antes, uma rápida prévia do que vem por aí.

Os confrontos que começam no Dia da Mentira e terão a rebarba uma semana depois são:

Arsenal x Liverpool
Fenerbahçe x Chelsea
Schalke 04 x Barcelona
Manchester x Roma

Excessão feita ao duelo entre Barça e Schalke, são partidas duríssimas, e que serão decididas no fio do bigode. Como os coletivos se emparelham, a qualidade individual falará mais alto. Tinta posta, uma pinceladinha em cada um deles:


ARSENAL X LIVERPOOL

Gerrard e Torres: demoníacos e encardidos/Reuters

Colocado na chave mais 'fácil' do torneio (com Porto, Olympique de Marselha e Besiktas), o time da terra dos Beatles patinou para passar às oitavas. No entanto, as duas vitórias sobre a Inter de Milão e as últimas belas jornadas do atacante Fernando Torres alçam o time do capitão Gerrard à condição de favorito. Do outro lado estão os excelentes Fábregas e Adebayor, dois jogadores que hoje vestiriam a camisa de qualquer clube do globo. Mas é pouco para bater o clube que se tornou um especialista no maior torneio do velho continente.

Prováveis escalações:

Arsenal
Almunia; Sagna, Touré, Gallas, Clichy; Eboué, Fàbregas, Flamini, Hleb (Walcott); Van Persie e Adebayor.
Técnico: Arsene Wenger

Liverpool
Reina; Riise, Skrtel, Carragher, Finnan (Arbeloa); Babel, Mascherano, Lucas (Xabi Alonso), Gerrard; Fernando Torres e Kuyt (Crouch).
Técnico: Rafael Benítez

Carlton Nostradamus Fox: é Liverpool na cabeça, com dois shows de Fernando Torres, hoje o atacante mais letal do globo terrestre.

CHELSEA X FENERBAHÇE

Os carequinhas Roberto Carlos e Alex fazem a festa/AP

Tudo bem que ao mirar a saída do túnel do time inglês, você se depara com Ashley e Joe Cole, Lampard, Makelele e Michael Ballack. Uma base de (muita) categoria, e que impõe respeito a qualquer adversário. Acontece que o oponente do momento é o irresistível Fener de Zico, Edu Dracena, Roberto Carlos, Alex e Deivid. O quinteto de brazucas eliminou o poderoso Sevilla na disputa de penais, e o fato de ser o azarão no duelo com o time azul deixará a equipe turca leve o suficiente para voar em campo.

Prováveis escalações:

Chelsea
Petr Cech; Ashley Cole, Ricardo Carvalho, Alex, Belletti; Makelele, Frank Lampard, Michael Ballack, Joe Cole(Claudio Pizarro); Drogba e Anelka (Malouda).
Técnico: José Mourinho

Fenerbahçe
Demirel; Gökhan Gönül, Lugano, Edu Dracena e Roberto Carlos; Selcuk Sahin, Mehmet Aurélio, Ugür Boral e Alex; Kezman e Deivid.
Técnico: Zico

Carlton Nostradamus Fox: mais dois empates com atuação de gala do maestro Alex (o jogador mais injustiçado da história do futebol brasileiro), disputa de penais e Fener nas semifas!


BARCELONA X SCHALKE 04



Messi: a grande ausência das quartas/AP

Meus cumprimentos ao Schalke, que jogou mais bola que o Valência na fase de grupos, eliminou o Porto e alcançou a seleta fase da Liga. Mas as proezas da zebra alemã param por aí. Mesmo porque agora enfrentarão um time DE VERDADE. Um time que tem simplesmente Henry e Eto'o como dupla de ataque. Um time que se dá ao luxo de ter Ronaldinho Gaúcho no banco de reservas. Um time que joga sempre pra frente, e que mesmo sem Messi (o atacante argentino só deverá estar 100% na fase seguinte) vai atropelar a equipe alemã. Espero que ao menos o técnico Mirko Slomka escale de cara o ex-botafoguense Zé Roberto, disparado o melhor avante da equipe.

Prováveis escalações:

Barcelona
Valdés; Zambrotta, Puyol, Thuram e Abidal; Touré, Xavi, Iniesta (Deco); Henry, Bojan Krkic (Messi) e Eto'o.
Técnico: Frank Rijkaard

Schalke 04
Neuer; Rafinha, Bordon, Krstajic e Westermann; Jones, Rakitic, Ernst e Kobiashvili (Zé Roberto); Altintop (Asamoah) e Kuranyi. Técnico: Mirko Slomka

Carlton Nostradamus Fox: vira 4, acaba 8. Duas sapecadas do Barça, que volta a exibir seu futebol irresistível e despacha a zebra alemã.

ROMA X MANCHESTER UNITED

Cristiano Ronaldo comemora com Anderson: o novo Maradona? /AP

Maradoooona mia, má que jogazzo! A Roma passa por grande momento - está na vice-liderança do Calcio e conseguiu a antológica vitória sobre o Milan de Kaká, Seedorf e Alex Duck. Os brasileiros Doni, Cicinho, Mancini e Taddei estão em estado de graça, e o craque Totti, o maior jogador italiano do século, está com sangue nos olhos. A faca, o queijo e o vinho estão nas mãos do time italiano, certo? Errado!

O adversário aqui é o invicto Manchester (6v, 1e), que vai saquear os comes e bebes da festa romana e mostrar por que é hoje o melhor time do mundo. Juntos, Cristiano Ronaldo (artilheiro da competição ao lado de Messi, com 6 gols), Tevez e Rooney são impossíveis, e justificam a cada jogo o apelido da equipe mais plástica e mortal de 2008: Diabos Vermelhos.

Prováveis escalações:

Roma
Doni, Cicinho, Ferrari, Panucci, Tonetto; Pizarro, De Rossi; Taddei, Perrotta, Mancini; Totti.
Técnico: Luciano Spaletti

Manchester
Kuszczak; Fletcher, Pique, Vidic e O’Shea; Hargreaves, Anderson, Cristiano Ronaldo e Giggs (Nani); Tevez e Rooney.

Carlton Nostradamus Fox: Roma em Roma, apertadinho, apertadinho. Manchester em Manchester, com sobras e espetáculo.



23 de mar de 2008

Na pegada do coelho

O COELHO VINHA trotando animado pela floresta, quando viu a girafa acendendo um cigarrinho de maconha. Então, ele parou e disse:
- Dona girafa, dona girafa... Pare de fumar essa porcaria aí e vamos correr pela floresta. Você vai ver que astral gostoso vai te dar!

A girafa, que já panguava na sintonia de Jah, pensou, jogou o cigarrinho fora e foi correr com o coelho.

Pouco mais à frente, eles encontraram um urso doidão cheirando cola. O coelho faz sinal para a girafa parar e já vai puxar papo com o urso:
- Oh, seu urso, deixa disso, rapaz! Larga a pata, levanta daí e vem com a gente fazer um cooper na floresta!

Um pouco contrariado, o urso colocou a lata de lado e se juntou a eles na corrida.

Mais um tanto à frente, se depararam com o elefante preparando uma enorme carreirinha para puxar pela tromba:
- Pô elefante, não perca seu tempo, isso não leva a nada! Vamos com a gente correr pela floresta, respirar ar fresco e entrar em forma!

O elefante ficou desconfiado, mas vendo a girafa e o urso empenhados, ganhou ânimo para entrar no bando.

Eles seguiam correndo atrás do coelho, que zigue-zagueava feliz pelos bosques. Até que encontraram o leão viciado em heroína, preparando a sua seringa de cada dia:
- Oh, meu rei, pare de fazer isso e vamos esticar essas patas. Bora trotar com a gente, my king?

Mal terminou de falar e o coelho levou uma senhora patada, voando longe. Sem entender nada, os animais perguntaram ao leão:
- Pô cara, você está louco? Por que fez isso com o coelhinho?

E o leão:
- Ora, por que... Toda vez que esse coelho maldito toma um ecstasy, ele me faz correr pela floresta toda!



TOP 10 BRASIL: Inauguração!

COMO OPTEI POR ficar em casa nessa Páscoa, resolvi ligar pra galera e marcar uma mega-sessão de filmes brasileiros. Mas ora bolas, por que brasileiros? Porque o cinema brasileiro, do começo dos anos 90 pra cá, deu uma guinada absurda: ampliou a visão chapada característica das produções de 70 e 80, teve um investimento pesado - principalmente da iniciativa pública -nas produções, rompeu com o formato quadrado de telenovela (excessão feita às produções globais) e diversificou a temática.

O resultado foi instantâneo - se antes tínhamos um filme bom a cada dois anos, hoje o cinema brasileiro produz ao menos três fitas anuais de alto calibre. Sucesso de público, vencedoras de festivais internacionais e aplaudidas por críticos daqui e de lá, as produções made in Brasil cresceram, apareceram e conquistaram em menos de duas décadas o que muitos não atingem em dez: uma identidade própria.

De toda a patota, só Vince e Tony ficaram por aqui para a maratona de pipoca, milk-shake e telona. Após 60 horas, 25 filmes e muita almofadada, chegamos à lista dos 10 melhores filmes dessa nova e fértil etapa do cinema brasileiro. Assim como Bené e Zé Pequeno, Tonho e Pacu e João Grilo e Chicó, vamos de dois em dois pra não perder o engate.

10º lugar: SE EU FOSSE VOCÊ
2006 - Comédia Romântica, 104 min.

Direção: Daniel Filho
Roteiro: Adriana Falcão, Daniel Filho, Renê Belmonte e Carlos Gregório, baseado em obra de Carlos Gregório e Roberto Frota
Com: Tony Ramos, Glória Pires, Thiago Lacerda, Glória Menezes

Sinopse: Após uma briguinha cotidiana, um casal típico acorda com os corpos trocados. Vivendo a vida do outro - e passando por diversas situações embaraçosas - Cláudio e Helena perceberão a importância do cônjuge, esquecida por conta da correria do dia-a-dia e dos desentendimentos familiares.

Premiações: recebeu um total de 6 indicações ao Grande Prêmio Cinema Brasil, nas categorias de Melhor Filme, Melhor Diretor, Melhor Atriz (Glória Pires), Melhor Roteiro Original, Melhor Direção de Arte e Melhor Edição.

♠ Bastidores:
*Esta é o terceira parceria entre o diretor Daniel Filho e a atriz Glória Pires. As outras duas aconteceram em 'A Partilha' (2001) e 'O Primo Basílio' (2007);
*Foi o filme brasileiro de maior público em 2006, levando surpreendentes 3.644.956 pessoas aos cinemas.

Por que assistir: a sintonia entre Tony Ramos e Glória Pires, dois dos maiores atores nacionais de sua geração, é perfeita. Com a troca, Glória (Helena) passa a viver o atribulado dia de Tony (Cláudio) na agência, lidando com tipões como o aproveitador Marcos (Lacerda) e a turbinadíssima secretaria Cibele (Daniele Winits). Já Tony é um espetáculo à parte: afina a voz, dança ballet e pára toda a festa com sua suspeita coreografia na piscina. Água com açúcar da melhor qualidade.


9º lugar: O QUE É ISSO, COMPANHEIRO?
1997 - Drama, 105 min.

Direção: Bruno Barreto
Roteiro: Leopoldo Serran, baseado em livro de Fernando Gabeira
Com: Pedro Cardoso, Gernanda Torres, Matheus Natchergaele, Cláudia Abreu, Luís Fernando Guimarães, Alan Arkin

Sinopse: na tensa fase de ditadura militar (1969), um grupo de jovens sequestra o embaixador americano, como forma de pressionar o governo a liberar os presos políticos que eram torturados pelos militares.

Premiações: recebeu indicação ao Oscar de 1998, na categoria de Melhor Filme Estrangeiro.

♠ Bastidores:
*A intenção de filmar 'O Que É Isso, Companheiro?' surgiu ainda em 1980, logo após o livro de Fernando Gabeira ter sido publicado. Na época os direitos para a adaptação cinematográfica foram comprados pela produtora Lucy Barreto, que só pôde fazer do filme uma realidade 17 anos depois;
*Ao ser lançado no Brasil, 'O Que É Isso, Companheiro?' gerou muita polêmica por ter valorizado a ação em detrimento da política do período da ditadura militar e também por causa de algumas liberdades históricas tomadas no filme (bobagem);
*O único guerrilheiro do filme que realmente existiu foi o vivido por Matheus Natchergaele. Seu nome era Virgílio Gomes da Silva - ele morreu sob tortura;
*No filme, o embaixador americano é libertado durante um Flamengo x Vasco. Na real, o adversário do Mengão na ocasião foi o Bangu;
*O orçamento do longa foi de 4,5 milhões de dólares, valor altíssimo para os padrões da época.

Por que assistir: além de ser um filme baseado em (uma interessantíssima) história real, ele conta com atuações marcantes de todo o elenco. Super fiel ao (excelente) livro de Fernando Gabeira, hoje deputado cult e na época um dos cabeças do sequestro, o filme acerta no pano de fundo histórico, traz cenas de ação de arrepiar e tem sacadas de puro brilhantismo. O título curioso, hoje banalizado nas frases vagas do presidente petista, remete ao modo de tratamento entre guerrilheiros e reacionários que um dia lutaram por um ideal. Faz por merecer seu lugar na lista.

♠ Informações retiradas do site AdoroCinema




17 de mar de 2008

As Musas do Vince - IV

DEPOIS DE MANDAR a rolha pro espaço, de pegar uma batelada de jacarés, de dançar o Créu (brincadeira Bejotaaaaa!!) e de cair de pára-quedas na 7ª série (uhuuu!), acredito que já chegou a hora de dar sequência às chicas TOPs do Vince. Nunca é demais lembrar meu conceito de TOP, bem diferente do senso comum. Como disse há alguns meses, ao inaugurar a passarela com Angelina e Beyoncé, TOP nada mais é que:

"Um misto de beleza, charme, inteligência, postura e atitude. Essas cinco características, quando estão em harmonia e equilíbrio, fazem uma Mulher de verdade, daquelas que inundam sua mente de onomatopéias com apenas um olhar. Lembrando que a Beleza está nos olhos de quem vê, Charme vem de berço, e Inteligência se adquire vivendo. Agora, Postura e Atitude são duas qualidades raríssimas, e só sendo muito 'macho' pra saber se impor e lutar pelo que acredita."

Dito isso, vamos ao próximo par de beldades:


Se você bateu os olhos aí em cima e ficou com um ponto de interrogação do tamanho de uma bigorna na cabeça, eu passo o rodinho no seu pára-brisa: esse pedacinho de mau caminho é Natalie Portman, o chaveirinho de Hollywood e a dona dos meus sonhos mais doces. A peruca cor-de-rosa fazia parte de seu figurino como a dançarina irresistível de 'Closer', filme em que deixou Clive Owen e a torcida das conferências leste e oeste da NBA uivando. Se ainda não assistiu, aí vai uma amostrinha do que Miss Portman é capaz:



Aos 26 anos, Natalie é uma das atrizes mais versáteis de sua geração. Apesar da carinha de anjo, a israelense (sabia que ela nasceu em Jerusalém?) já interpretou personagens complicados e de personalidades completamente diferentes. Além da perturbada 'dançarina' de Closer, ela viveu a rainha Amdala em Starwars - Episódio I, II e III, uma camponesa solitária em Cold Mountain, uma reacionária ao governo inglês em V de Vingança e a a encantadora vendedora que assume A Loja mágica de brinquedos do senhor Magorium.


Só falta agora a pimentinha pintar por essas bandas. Com seu 1,60m de altura, não duvido que ela se renda aos encantos do Little Johnny Depp do Clube!


OUTRA QUE FEZ por merecer sua vaguinha na ilha da fantasia é a estonteante Salma Hayek. A atriz mexicana de 41 anos é tão sexy, mas tão sexy, que até de monocelha e um figurino tosquíssimo (em 'Frida'), ela conseguiu deixar a rapaziada - e a mulherada - ouriçada. Conheci Salma por acaso, quando me deliciava com o sanguinário 'Um Drink no Inferno', mais uma das traquinagens de Tarantino.

Esgotados pela longa viagem que faziam, ele e George Clooney entram em um bar poeirento no meio da estrada. Ao passar da porta para dentro, se deparam com uma morena indescritível dançando em cima do palco, com uma cobra gigante no pescoço, numa cena de arrepiar qualquer ser que urra ao levar uma bolada entre as pernas. Faz o seguinte: dá uma espiada no vídeo abaixo e tire suas próprias conclusões.



Segura o queixo, babão! - Salminha não é só esse par de coxas e essa barriguinha de deixar as Julianas Paes se mordendo de inveja. Versátil como Natalie, ela se valeu do domínio das línguas inglesa e espanhola para sair dos palcos e novelas mexicanas para brilhar na terra de Madame Jolie. Além de aparições avassaladoras como essa arriba (em filmes como Dogma, As loucas aventuras de James West, Traffic), a chicana deu o furacão da graça na Balada do Pistoleiro, onde fez até o Seu Madruga querer ser o mariachi de Antônio Bandeiras.

Depois de virar mamãe, fez charme ao lado de Penélope Cruz em Bandidas e no elenco da versão Mc Donald's de Betty, a Feia. Ahora a cá dentre nosotros: Oscar pra quê?






16 de mar de 2008

Imagens da Semana

SEMANINHA CHEIA de acontecimentos divertidos, essa que passou. De um improvável encontro entre Kiss e Lewis Hamilton à visita de Zidane à favela de Heliópolis, em São Paulo, a segunda semana de março trouxe alguns fatos deveras curiosos para o povo que é chegado numa novidade.




Além do encontro do piloto-sensação da F1 (que já tratou de vencer a 1ª prova da temporada) com a banda dos cara-pintada e da ilustre presença do craque francês em território nacional (Zizou veio para inaugurar uma quadra de futebol de salão, a convite da Adidas, como parte do projeto da Copa 2014), outros assuntos atípicos encheram as páginas dos jornais e telas dos sites Brasil afora.


O principal deles, a renúncia do governador nova-iorquino e partidário de Hillary Clinton, Eliot Spitzer, envolvido em um escândalo sexual digno de roteiro de Hollywood. Spitzer, casado e pai de três filhas adolescentes, gastou 80 mil dólares dos cofres públicos com oito prostitutas diferentes. A mais famosa delas, a bela Kristen Maya, cobrou módicos US$ 4.300,00 por um par de horas de seus 'serviços', e se valeu do escândalo para fazer uma divulgaçãozinha básica.


Com a renúncia de Spitzer, quem assumiu a cadeira foi seu vice, David Paterson. Detalhe: além de ser negro, etnia pouco aceita nos altos cargos yankees, Paterson é cego desde criança. Com personalidade, ele minimizou o escândalo em seu discurso de posse e pregou a filosofia do bola-pra-frente: "é hora de voltarmos ao trabalho, que é justamente o que as pessoas do estado esperam de nós”.


E por falar em negros bem-sucedidos, na última quinta-feira a Unipalmares (Universidade da Cidadania Zumbi dos Palmares), instituição de ensino superior para 'afrodescendentes' pioneira na América do Sul, formou sua primeira turma. Com 90% de seus alunos declarados negros, a universidade, que custa uma média de 300 reais/mês, convidou o presidente Lula para ser o patrono da primeira turma a pegar o diploma. Geraldo Alckmin e Gilberto Kassab também marcaram presença na cerimônia. Foram do ex-governador paulista as melhores palavras que definiram o evento: "É uma universidade que é a síntese do amor e da justiça".


Animal, né? Mas animal mesmo é esse tigre branco aí embaixo. Ele é um dos 3.500 animais que estão expostos no Zoológico de São Paulo, que completa neste domingo 50 anos de vida.


O Zoo, que já viu um de seus rinocerontes ser eleito vereador (Cacareco, em 1958), é um dos maiores da América Latina, e será reforçado com novas espécies nos próximos meses. Para quem ainda não teve o prazer de passear por lá, seguem as coordenadas:

Endereço: Av. Miguel Estéfano, 4241 (Água Funda)
Fone/site: (11)5073-0811; http://www.zoologico.sp.gov.br/

Preço: R$12 (menores de 7 anos e maiores de 60 não pagam. Crianças de 7 a 12 anos pagam apenas R$ 3)
Horário: das 9h às 17h (terça a domingo). Só abre de segunda quando for feriado ou véspera de feriado.



Sobre Sementes e Embriões

Banco Mundial de sementes de Svalbard, na Noruega

HÁ POUCO MAIS de dez luas, a discussão em torno da continuidade dos estudos com as células-tronco no Brasil tomou conta das principais colunas jornalísticas, das ONGs ambientais e das salas de aula de cursos como Jornalismo, Biologia e Engenharia Ambiental. Estava nas mãos dos juízes a decisão de prosseguir ou não com as pesquisas utilizando embriões humanos, a fim de buscar a cura de doenças 'comuns', como a diabete, e de mazelas mais complicadas, caso do câncer e das variações de lesões neurológicas.

De um lado, os cientistas ancorados pelos progressistas e jovens pediam pela não-intervenção do Supremo Tribunal Federal nos estudos, que tiveram uma injeção de 2 milhões de reais nos últimos dois anos. Se é para curar enfermidades e alongar a vida de muitos, que continuem, oras!

Do outro, a Igreja e os defensores da 'lei natural das coisas', os filhos e netos de Darwin. Os mesmos que atacaram as Dollys e grande parte das atividades científicas que brincam de Deus. "A vida começa a partir do momento da concepção; não é justo matar para curar", dizem os reacionários. Usar as células-tronco de embriões é o mesmo que tirar um sem-número de vidas para atividades que não se sabe onde vão dar, além de inverter a tal da ordem natural das coisas.

CORTA PARA SVALBARD, arquipélago norueguês ao pé do pólo norte. Lá, a 18º abaixo de zero e 70 metros de profundidade, a ONU tocou a construção de uma mega arca (orçada em US$ 9 milhões), para guardar sementes. O Banco Mundial de Sementes, como foi chamado, abrigará 2 bilhões de sementes das mais variadas espécies cultivadas pelo homem. A justificativa da incomum latitude da Bat-Caverna do Pinguim é que lá, além das sementinhas estarem protegidas de catástrofes naturais e de guerras nucleares (uou!), o futuro do trigo, da ervilha e da cevada estará garantido por ao menos 10 mil anos.

...

Duas situações aparentemente desconexas, mas que estão mais ligadas que um mero cidadão daqui de Nova Piripiri pode imaginar. O que está em jogo para se preservar e priorizar: a semente ou o embrião? Num planeta que vê sua população se multiplicar em proporções coelhais, é realmente necessário prolongar vidas que, ao fazerem a passagem, equilibram a conta final? E quem será que estará abrindo a Bat-Caverna depois de baixar a fumaça das explosões e da fúria da Mãe Natureza se abrandar?

Está mais do que na hora de discutir o assunto. Assim como o referendo do desarmamento levou a questão do porte de armas a todas as castas da população em 2005, o governo poderia abrir o debate a respeito dos estudos feitos com as células-tronco (ainda que seja, como foi há três anos, uma ação simbólica). Afinal de contas, é a partir dessas pesquisas que se pode estar tirando a vida de novos Pelés, ou curando definitivamente as mazelas de tantos Mohammads Alis por aí.


13 de mar de 2008

Banir e deportar, é só começar

CERTAS ATITUDES tomadas por algumas autoridades nos últimos dias me fizeram pensar em que século estamos, qual bonde tomamos, e em que mundo vivemos. Programas e acordos e uniões e pactos mundiais de cooperação são estabelecidos dia sim, dia não, em nome da democracia, palavra de lei em nove entre dez discursos de um político que pretende ter o mínimo de êxito em sua candidatura.

Num mundo globalizado, onde basta uma passada de olho na lista de chamada da classe para conferir o quanto as barreiras se perderam, medidas como as tomadas pela polícia espanhola e pelos governos brasileiro e chinês colocam em xeque todo progresso obtido nas últimas décadas.

Como foi amplamente alardeado pelos jornais desses lados, estudantes brasileiros foram deportados da Espanha, mesmo com a documentação em dia. Passaram quase 20 horas presos no aeroporto de Madri, e nem a intervenção do governo brasileiro foi suficiente para aplacar o ímpeto da polícia local, que barrou a entrada de outros 452 brasileiros no país só no mês passado.

Inconformado com a atitude dos conterrâneos de Zapatero, o governo brasileiro resolveu dar o troco, em atitude de fazer vergonha ao mais imaturo e bufão dos governantes (alguém pensou em Chávez?) : expulsou do país uma agente de turismo espanhola que estava em Salvador para conhecer a cidade e divulgar as belezas naturais brasileiras na Espanha, em acordo milionário capitaneado pela ministra Marta Suplicy. Coisa fina.

Menos de 24 horas depois, chega a notícia de que a China baniu da mídia uma de suas maiores estrelas de cinema. O motivo: 'sua performance sexualmente desinibida' no filme "Lust, Caution", dirigido por Ang Lee e vencedor do último Leão de Ouro no Festival de Veneza.

Tang Wai, que tem 28 anos e aquela beleza arrebatadora que contempla uma em cada mil chinesas, viu todas as propagandas que estrelava serem retiradas do ar (uma delas com um cachê de quase 1 milhão de dólares), sua participação em programas de TV canceladas e os convites para participar de outros filmes serem proibidos pelo governo chinês. Esperta, preferiu não se pronunciar por ora, evitando seqüelas adicionais desnecessárias.

Na última sexta-feira, o governo mandarim deu uma ordem para que as TVs e produtoras de cinema locais não exibissem cenas com conteúdo pornográfico e lascivo. Nada de 'atos promíscuos, estupro, prostituição, ato sexual ou perversão'. Já matar em praça pública neguinho que roubou um yakissoba ou a mulher que traiu o marido, tá liberado. Vai entender.




My name is Tramp. Supertramp!


PEDI O CARIMBO da Holly para escrever algumas linhas sobre 'Na Natureza Selvagem' , obra-prima de Sean Penn, Jon Krakauer, Chris McCandless e Henry David Thoreau. O primeiro, o diretor do filme; o segundo, o autor do livro inspirado na incrível aventura que norteou a vida do terceiro; e o quarto, a grande inspiração responsável pela empreitada.

Apesar do espetáculo visual e do título 'Discovery Channel', o assunto aqui é da epiderme pra dentro. Chris, em interpretação antológica de Emile Hirsch (um híbrido de Michael J. Fox e Zac Efron), é mais um entre tantos moleques decepcionados com seus pais e a sociedade perdida em seu mar de regras.

Com uma determinação de maratonista queniano, ele se torna Alexander Supertramp, e troca a selva capitalista pelas florestas, cachoeiras e montanhas da América de cima. Deixa pra trás uma vida abastada para desfrutar daquela liberdade que carregam no peito os apaches, hippies e ciganos. Enche a mochila, queima seu dinheiro e parte em busca das respostas que a faculdade, os livros e Deus lhe negaram até então.

Por ironia do destino, todas as pessoas que Chris Supertramp encontra no caminho - a despeito de levarem uma vida sem amarras - tentam dissuadi-lo da idéia de viver só. Tanto o casal de hippies e os gringos naturebas quanto o texano 171, o velho lobo solitário e a linda garota dos olhos tristes (imagem arriba) tentam fazer Chris enxergar aquilo que ele só encontra à beira de sua morte: que a felicidade só é real quando compartilhada.

Contudo, mesmo tendo apenas 23 anos, é Chris quem acaba transmitindo algo real aos 'conselheiros'. Com plena convicção de que pode ser sua própria âncora, ele cativa tanto os personagens quanto o público que o assiste em alpha do outro lado da tela. Se boa parte da galera da poltrona já seguia a cartilha do naturalista Thoreau ('A Desobediência Civil', 'Walden'), passou a ganhar motivos extra a cada atitude altruísta do destemido rapaz, a essa altura com o rosto coberto por uma barba espessa e marcas do sol e das noites mal dormidas, visú típico dos grandes heróis libertários.

No fim das contas, após uma enxurrada de insights que penetram o inconsciente com a destreza do espermatozóide vitorioso, fica à disposição um calhamaço de mensagens (proeza que raríssimos filmes conseguem atingir), para você escolher a que melhor se encaixa em sua história. Todas elas relevantes e repletas de significado. Todas elas questionando o caminho natural de suas escolhas condicionadas. Todas elas lembrando que não importa de onde você veio, para onde vai e o que irá encontrar pelo caminho: sempre existirá um Alexander Supertramp aí dentro, para lembrar que o mundo está além do que seus olhos podem ver.



9 de mar de 2008

EM CARTAZ – Na Natureza Selvagem

BOMBARDEIOS, EXPLOSÕES e voadoras são deveras importantes importantes na vida de uma pessoa, fato. Mas confesso que prefiro estímulos que desafiam o psicológico, me empurrando para o buraco negro de meu universo particular. Afinal, o que espero da vida? O que fiz de bom até agora? Pra que raios estou aqui, entre vocês?

Filmes baseados em fatos reais normalmente são assim, com pano de fundo moral, que apertam o coração dos indecisos e a garganta dos que têm a consciência acima do peso. Escapistas, dão vontade de fugir. Elucidativos, nos fazem querer passar um rolo compressor nas injustiças do mundo.


'Na Natureza Selvagem' não ensina a acabar com o racismo ou salvar as baleias, mas vai fazer você enchergar algumas bifurcações em sua estrada.

NA NATUREZA SELVAGEM ('Into the Wild', 2007)
Drama, 140 min.


Direção: Sean Penn ('A Promessa')
Roteiro: Sean Penn, baseado no livro de Jon Krakauer que narra a história (real) de Chris McCandless
Com: Emile Hirsch, Marcia Gay Harden, William Hurt, Jena Malone, Brian Dierker, Catherine Keener e Vince Vaughn

Sinopse: Após concluir seu curso na Emory University, o brilhante aluno e atleta Christopher McCandless (Emile Hirsch) abre mão de tudo, inclusive de sua promissora carreira. Ele doa todas suas economias para caridade, coloca uma mochila nas costas e parte para o Alasca a fim de viver uma aventura. Ao longo do caminho, Christopher depara-se com uma série de personagens que irão mudar sua vida para sempre.

♠ Bastidores:
*Sean Penn esperou 10 anos para filmar, pois queria ter a certeza da aprovação da família McCandless para que o filme fosse realizado;
*Emile Hirsch perdeu 18 quilos para fazer seu personagem; nenhum dublê foi usado nas suas cenas;
*Para as filmagens, foram necessárias 4 viagens ao Alasca (em diferentes épocas do ano);
*O orçamento foi de US$ 15 milhões.

♠ Informações retiradas do site AdoroCinema

Oscar: o filme recebeu duas indicações ao Oscar, nas categorias de Melhor Ator Coadjuvante (Hal Holbrook) e Melhor Edição. Infelizmente não levou nenhuma estatueta.

Por que assistir: desafio você a assistir esse filme e não sair correndo para arrumar a mala e sumir do mapa. Apesar do filme ser solitário, Sean Penn soube trabalhar o lado psicológico do personagem central, que, associado às belas paisagens, nos remete quase que automaticamente à série Lost. A vida de Chris é contada de forma intercalada com a viagem que ele faz sozinho pelo mundo – até o Alasca, seu grande objetivo -, dando uma dinâmica ágil que evita o espectador de se contorcer na cadeira (são quase 2h30 de fita). A cena do protagonista queimando todo o dinheiro que tem no bolso dá uma sensação de frescor e liberdade indescritível!

Destaque para as pequenas pontas de alguns ases de Hollywood: Hal Holbrook (soberbo), Vince Vaughn e Catherine Keener. Uma dica: Nos vales das montanhas de histórias, são citadas vários trechos de autores belíssimos (Thoreau, Krakauer, Pasternak) – leve um bloquinho para anotá-las. Se o filme não cair no gosto (o que duvido muito), ao menos você vai sair da sala dando mais valor a um banho quente e ao abraço da sua mãe.

Avaliação: @@@@@ IMPERDÍVEL!!!


Trailer:





6 de mar de 2008

Rodrigo Ferrante e Deivson Rogério: olé!

TRABALHAR EM UMA empresa/organização/clube de prestígio é ótimo, principalmente quando o status vem acompanhado de um generoso depósito na conta ao fim do mês. A dobradinha nos dá estômago para aceitar críticas (ainda que injustas), engolir sapos e seguir de cabeça em pé, apesar dos jabs e cruzados disparados diariamente, sem clemência.

No entanto, não há nada como prestar seus serviços a um lugar que o estimula, valoriza e o aceita como você é. Dessa forma, o trabalho sai quase que naturalmente, e é desenvolvido com dedicação e envolvimento latentes, qualidades outrora tolhidas pelo ambiente hostil. Você se encaixa no novo time, os resultados começam a aparecer, e a sequência de derrotas e atuações pífias se transforma em uma série de triunfos sólidos e festejados.

Esse papo todo é para falar de Bobô e Taddei, dois jovens jogadores perseguidos pelas torcidas de seus clubes no Brasil e que tiveram competência e serenidade para dar a volta por cima em suas novas casas.



Bobô, que ficou marcado no Corinthians pela ausência de gols (minha fonte informa que foram míseros 5 gols em 62 jogos), precisou ir longe para encontrar seu faro de artilheiro. Atuando pelo Besiktas, da Turquia, o centroavante de 23 anos marcou 44 vezes em 89 jogos, desempenho que lhe rendeu o prêmio de melhor jogador da Turquia em 2007 e a polêmica convocação para a seleção de Dunga (comemorada com a comissão técnica, aí em cima).

Espantados, os corintianos parecem não entender o que acontece. "O Bobô na seleção? Só pode ser piada!" Não é - o ambiente favorável encontrado no clube turco de fato transformou o futebol de Bobô. Se seguir na ascendente, fazendo a sua, periga o atacante ganhar uma vaguinha naquele vôo que sai para a China no meio do ano.


Outro jogador que calou os torcedores de seu ex-clube é Taddei. Esculachado pela exigente torcida alvi-verde pelo excesso de faltas cometidas, pela boca de engole-mosca e pela visível deficiência em vários fundamentos, o meio-campista passou de motivo de piada das Perdizes a astro na terra dos gladiadores.

Contratado pelo Roma em 2005, após três excelentes temporadas atuando pelo Siena, Taddei virou peça fundamental no esquema do técnico Luciano Spaletti. Além de puxar os contra-ataques e finalizar muito bem, ele ajuda na marcação e joga 'para o time'. Não foram poucas as jornadas que saiu da partida como o melhor em campo, chegando inclusive a marcar gols decisivos.

O último deles (o motivo do sorriso acima), saiu nessa quarta-feira - tento que eliminou o todo-poderoso Real Madrid da Copa dos Campeões, e que deu à sua Roma a vaga nas quartas-de-final do celebrado torneio europeu. Detalhe: em pleno Santiago Bernabéu, com mais de 60 mil torcedores jogando junto com o time merengue.

Deivson Rogério da Silva, o Bobô. Rodrigo Ferrante, o Taddei. Duas provas vivas de que sempre é possível começar de novo, levantar o estádio e vestir o amarelo que todo peladeiro sempre sonhou. Desde que tenham a confiança do patrão, o apoio da platéia, e o mais importante: a força de vontade para (re)conquistá-los quando a feira é só tomates.




EM CARTAZ – Antes de Partir

DIA DESSES,FOI REALIZADA uma pesquisa com mil pessoas, a fim de descobrir se elas gostariam de saber o dia exato de sua morte. Resultado: 96% responderam que não. Comecei a pensar a respeito. A princípio achei que seria legal, afinal de contas teria a chance de me despedir do pessoal, abraçar meu pai, perdoar um amigo, me declarar para aquele menino por quem sempre fui apaixonada e nunca tive coragem de falar.... Até aí, beleza.

Mas e a sensação de que é a ÚLTIMA VEZ? Uhhh, horrível! Se já é ruim pensar no último dia daquela viagem sensacional, no último dia de férias, no último dia na casa do avô... Não deve ser nada agradável pensar em seu último dia de vida. Decidi: quero continuar na ignorância.

Em 'Antes de Partir', Jack Nicholson e Morgan Freeman sabiam quanto tempo ainda poderiam aproveitar e, muito sagazes, fizeram uma lista de coisas básicas (como por exemplo conhecer as pirâmides do Egito) que tornaria seu crepúsculo existencial inesquecível. E se deram bem!

Antes de Partir (‘The Bucket List,', 2007)
Drama, 97 min.



Direção: Rob Reiner (‘Alex & Emma – Escrevendo Sua História de Amor’)
Roteiro: Justin Zackham
Com: Jack Nicholson, Morgan Freeman, Sean Hayes, Rob Morrow

Sinopse: Edward Cole (Jack Nicholson) e Carter Chambers (Morgan Freeman) são dois homens com câncer em estágio terminal, que fogem do hospital e põem os pés na estrada com uma lista de coisas que gostariam de fazer antes de morrer.

Bastidores:
*Justin Zackham concluiu o roteiro do filme em apenas duas semanas. Na época, ele já tinha Morgan Freeman em mente para interpretar Carter Chambers;
*Tanto Rob Reiner quanto Morgan Freeman sugeriram que Jack Nicholson fosse o intérprete de Edward Cole;
*Jack Nicholson usou sua própria experiência no hospital em alguns diálogos e situações do filme. O óculos usado em cena, por exemplo, foi uma sugestão do ator aceita pelo diretor;
*Alfonso Freeman, filho de Morgan Freeman, interpreta seu filho no filme;
*O orçamento foi de impressionantes US$ 45 milhões.

♠ Informações retiradas do site AdoroCinema

Por que assistir: Tá, é chover no molhado, mas não há como negar que Jack Nicholson e Morgan Freeman são atores excepcionais. Não importa o roteiro, o elenco, a direção ou o figurino: eles roubam a cena de qualquer jeito, e em 'Antes de partir' não é diferente. As caras e bocas de Jack - imitadas descaradamente por Jim Carrey - são daquelas que não precisam de fala para serem entendidas.

Freeman, com seu jeitão contido e ponderado, é o par perfeito para contracenar com Jack. Um é mecânico, com o orçamento sempre apertado, família grande. O outro é dono de hospitais, teve várias esposas, come do bom e do melhor. O que eles têm em comum? Câncer terminal, e por obra do destino ficam internados no mesmo quarto.

Depois de um tempo naquela rotina hospitalar nauseante, de exames e quimioterapia, o que era para ser triste torna-se uma aventura. Quando descobrem que têm pela frente poucos meses de vida, a dupla decide fazer tudo que sempre teve vontade, mas acabaram adiando pela falta de tempo, coragem ou dinheiro suficiente. É um drama que nos faz rir. E até chorar...

Avaliação: @@@ = LEGALZINHO...

Trailer:





Related Posts with Thumbnails