21 de mai de 2009

Era um garoto que como eu...


AMAVA OS JONAS BROTHERS E O MCFLY!

- Epa, epa, epa! Que várzea é essa??? Já não basta as toneladas de maquiagem do rock de pau mole nacional e você agora me vem com McFuckers e Jonas Broxas?

Calma, rapaz. A comparação não vai além da musiquinha do saudoso Gianni Morandi, que ganhou sua versão brazuca pelas guitarras dos Engenheiros do Havaí.

Longe de mim querer nivelar as duas maiores lendas do rock com as pegadinhas do Mução. Ainda assim, acredito que vale escrever algumas linhas sobre as duas maiores bandas teen da atualidade.

Peço licença aos fãs para deixar de fora os hormônios aprisionados do High School Musical, já que playback e passinhos coreografados não dão o alvará para se enquadrarem na categoria ‘banda’.

O McFly é aquela típica bandinha ordinária nascida da mais pura vontade dos integrantes de comerem xoxotas alcançarem a fama pelo caminho mais curto. Se valendo da combinação integrantes bonitinhos + refrões melosos + estilinho I’m very crazy para lotar o show de adolescentes órfãs dos Backstreet Boys – e molecotes oportunistas que aproveitam a ocasião para colocá-las nos ombros - não obstante o quarteto aparece no topo das paradas de sucesso americanas.

Com média de idade de 23 anos, o McFly se auto-declara uma banda de ‘sexy pop’ (entrevista para a Folha), e tem hábitos que, se não chegam perto das esquisitices dos jovens Keith e Mick, ao menos lembram as presepadas juvenis do Blink 182. Em todas as cidades que se hospedam, eles fazem uma competição para ver qual pizzaria entrega a pizza mais rápido. E antes de entrar no palco, repetem sempre o mesmo ritual: sentam na privada e colocam a criançada para nadar. Bah, malandro é o cavalo-marinho*!

O clã dos Jonas é ainda mais precoce. Com 16, 19 e 21 anos, os irmãos nasceram nos seriados Disney, e antes mesmo de completar 2 anos de carreira já chegaram à marca de 10 milhões de discos vendidos - número de fazer inveja até pra rapaziada de Liverpool.

Seu diferencial obviamente não é o som, facilmente confundido com qualquer uma das milhares de bandinahs teenagers de garagens aveludadas. O que faz dos Jonas um fenômeno – noves fora o apadrinhamento de titio Walt – é justamente a postura Beatle. Além de serem engomadinhos e terem um aspecto de Menudos recém-ensaboados, Du, Dudu e Edu trazem em seus dedos um anel de pureza, no melhor estilo Frodo Bolseiro.

Tosco, né? Ou não. O adorno virou hit entre os fãs, que se uniram a Kaká e Sandy para abraçar a causa, protelando as bimbadas para a sagrada Honey Moon. Santa punheta!

Se você quiser conferir ao vivo o que os Lennons e Jaggers dos novos tempos estão aprontando, as duas bandas estarão no Brasil no final desse mês. Não vai rolar Help nem Ticket to ride, mas pode ter certeza de que não faltarão posts e foteenhas orgulhosos de terem comparecido ao 'show do ano'.


*que finge que é peixe pra não ter que puxar carroça.




18 de mai de 2009

Requentar é viver: As Musas do Vince - V

ATENDENDO A PEDIDOS, apelos e cornetadas, as musas made in Brazil fazem sua estréia no mais-que-seleto grupo das mulheres mais admiradas por este distinto gourmet do talento feminino.

Começo pela 1ª página de minha agenda telefônica, onde estão dois exemplares de uma rara combinação de beleza, sensualidade e talento na frente das câmeras: Alice Braga e Alessandra Negrini.

Mesmo com apenas 25 anos, Alice Braga tem gingado de veterana. Ao contrário de 99,9% das atrizes de bem com o espelho, deixou a tevê de lado e optou pelo cinema, onde já apareceu em 12 fitas. Da espivetada amante do malandro Bené ('Cidade de Deus') à valente mulher do professor de jiu-jitsu Mike Terry ('Cinturão Vermelho'), a atriz emana carisma, versatilidade, domínio das câmeras e verdadeira vocação para a profissão.

Em 'Cidade de Deus', com Buscapé: onde tudo começou

Mas foi em Cidade Baixa, no recheio do acarajé com Lázaro Moura e Wagner Ramos (ou vice-versa), que a sobrinha de Sônia Braga pôde mostrar a força de seu DNA, arrebatando 6 prêmios do cinema nacional. Espia só (não aconselhado para menores e locais públicos):




O desempenho de Alice foi tão estrondoso que os Hollywood Hunters logo cresceram os olhos e fisgaram nossa sereia - em pouco mais de 1 ano, ela já participou/participa de 5 produções gringas: 'Eu sou a Lenda' (com Will Smith), 'Cinturão Vermelho' e os inéditos 'Ensaio sobre a cegueira', 'Crossing Over' (com Harisson Ford) e 'Repossession Mambo' (com Jude Law).

Não é qualquer uma que realiza a façanha de cativar o velho Vince e fazer barulho no País das Maravilhas. Aos 25, Alice já conseguiu - e pode estar certo de que é só o começo.

Se a sensualidade tivesse que ser registrada no cartório, certamente se chamaria Alessandra Negrini. Não há no mundo inteiro paralelo de sex appeal com a atriz paulista, que vem bancando a festa da rapaziada desde os tempos de 'Engraçadinha', quando fez até o vovô sair do coma sexual para homenageá-la com o desenrugamento de sua velha garrucha.

O fato de ter tido um affair com alguns 'galãs' globais e juntado os trapos com o Shrek pernambucano por anos a fio não afeta em nada sua brilhante biografia, que até o momento conta com 7 novelas, 3 minisséries, 8 filmes (2 deles inéditos) e 1 elogiadíssimo ensaio na Playboy, devidamente encapada e guardada em meu acervo pessoal.

Outro dia, enquanto elogiava os dotes (artísticos) de Alê, ouvi de uma destrambelhada da minha sala: "Nem bonita ela é! E tem uma cara de pervertida..."

Pois é justamente essa carinha de menina traquinas que faz com que, aos 37 anos, o orgulho dos Negrini deixe muita menininha de 18 falando sozinha.

Alê Greatest Hits





Outras beldades eleitas:

Musas do Vince - I
Musas do Vince - II
Musas do Vince - III
Musas do Vince - IV


13 de mai de 2009

Preparar... Apontar...

E QUANDO VOCÊ PENSAVA que as mulheres horti-fruti-granjeiras já tinham esgotado todas as possibilidades de fazer dinheiro em cima dos jedis da bronha, eis que Julia Paes, Carol Miranda e Sabrina fuckin' Bóing-Bóing emergem das profundezas grudentas do alternativismo artístico e nos presenteiam com essa pérola de valor inestimável:

O vídeo vai virar hit da web e o trio vai estrelar o pornozão do século em 5... 4... 3...




12 de mai de 2009

Requentar é viver: Pequeno tratado da angústia


MUNDO, MUNDINHO, mundão. Ir a fundo, se picar no espinho, partir um coração. Contar os segundos, viver sozinho, vida de ilusão.

Nessa correria maluca que é a vida, procuro nas rimas desencontradas encontrar um momento de silêncio para organizar minhas idéias e ouvir a voz que tampo com os fones de ouvido, e que me fala naqueles sonhos onde quem manda não dá as caras.

No parque de diversões sem limite de altura, ignoro as filas gigantescas das montanhas-russas, elevadores e outros inimigos da vertigem e pego a fila imaginária da roda-gigante mambembe, que em outros tempos carregou milhares de corações acalentados pelo amor inteiro.

Toca o despertador: hora de voltar à realidade e ao kit de maquiagem que espanta a cara de sono.

Se existe uma palavra que se encaixa nessa maratona em circuito oval, ela atende (depois de afundar o botão da campainha) por EXCESSO. Virou lugar-comum dizer que vivemos uma overdose de informações. Nessa altura do campeonato, provavelmente você já providenciou sua agulha, maço ou carreira e mergulhou de cabeça no olho do furacão que a cada manhã espreita à sua porta - jornal, contas a pagar e litro de leite semi-desnatado a tira-colo.

Excesso.
De opções para comer, beber, mastigar e digerir. "A azia tá braba, pega o sal de frutas!". "Não posso, tenho gastrite". "Olha que se você não cuidar vira úlcera, hein?"

Exceço.
De abreviações, comparações, declarações e motivações para seguir em frente e não olhar para trás. Life goes on, son!

Ecesso.
De profissionalismo, de seriedade, de compromisso com algo que não vai além do boletim, ou do olerite providencialmente descontado pelos homens do tempo (prepare o guarda-sol, o cachecol e a capa de chuva).

Esséço.
De caridade, de boa vontade, de compaixão e esperança. "Se não deu certo, é porque ainda não acabou"; "Quem ri por último, ri melhor"; "Quem espera sempre alcança". Será mesmo? Me dê sua mão e segure a minha firme, sem medo de receber fluidos desconhecidos.

Tive um professor de literatura - cabelos e barba brancos, olhar questionador e barriga de bon vivant - que dizia que menos é mais. Toda vez que chegava com um supertexto de 50 linhas, ele sorria, baixava os óculos na altura do nariz e me perguntava: "Jones, qual a dificuldade de passar essa mesma idéia em 15 linhas?"

Simplesmente não consigo professor, já fui tragada. 15 linhas já não me satisfazem, entende? Sou uma mulher, inclusive trago no meio das pernas um atestado nada confortável de fertilidade. Minha imaginação é fértil, e viaja a uma velocidade que meus pés - e meu coração - não conseguem acompanhar.

Quando minha gaiolinha da montanha russa ruidosamente marca o ponteiro das 12 horas, lembro de uma frase proferida por uma das maravilhosas personagens de Meryl Streep (peço desculpas ao roteirista), que diz mais ou menos assim:

"Nesse mundo louco em que vivemos, o importante é fazer as coisas com paixão. Só assim conseguimos reduzi-lo a um tamanho administrável".


É... Pensando bem, três linhas é o bastante.





11 de mai de 2009

Requentar é viver: Safariwood


PARA COMEÇAR A 'fazer meu filme' aqui, resolvi pegar o jipe e me jogar num safari pela África, onde foram gravados, na última década, uma porção de filmes com viés político. Dentre eles, destaco quatro masterpieces (lado a lado acima): Hotel Ruanda, O Jardineiro Fiel, O Último Rei da Escócia e Diamante de Sangue.

Com roteiros turbinados, direções impecáveis e elencos de primeiríssima linha, são filmes que nos fazem atravessar o Atlântico sem sair de casa, e dar de cara com um continente que traz, em pleno século XXI, um cenário que pensávamos ter arquivado nos livros de história. Não por acaso as quatro produções arremataram, juntas, mais de 40 prêmios internacionais. Vale a pena conferir!


HOTEL RUANDA ('Hotel Rwanda', 2004 )
Drama, 120 min.


Direção: Terry George ('Mães em Luta')
Roteiro: Keir Pearson e Terry George
Com: Don Cheadle, Joaquin Phoenix e Nick Nolte

Sinopse: No meio do conflito étnico entre tutsis e hutus, que deu cabo de quase um milhão de pessoas em apenas quatro meses, Paul (Cheadle), um homem com inteligência acima da média, abre o hotel em que trabalha como gerente para abrigar a maior quantidade possível de fugitivos. Ele contará com a ajuda do Coronel Oliver (Nolte) e do câmera Jack (Phoenix) para salvar essas pessoas, e mostrar ao mundo a carnificina que tomou conta de seu país.

Bastidores:
* Vários estúdios chegaram a se interessar em produzir o filme, com a condição dele ser estrelado por um ator negro famosão, como Denzel Washington, Wesley Snipes e Will Smith. Mas, no fim das contas, o diretor preferiu fazê-lo forma independente e manter Cheadle, seu nome predileto, no papel principal;
* Coronel Oliver, personagem de Nick Nolte, foi inspirado no general Roméo Dallaire, justamente o oficial canadense que comandou as Forças de Paz das Nações Unidas durante o genocídio ocorrido em Ruanda;
* Os verdadeiros Paul e Tatiana Rusesabagina (casal central) retornaram a Ruanda, juntamente com o diretor Terry George, para realizarem pesquisas para o filme. O trio foi recebido com pompas pela população local no aeroporto.

Oscar: recebeu 3 indicações: Melhor ator (Don Cheadle), Melhor atriz Coadjuvante (Sophie Okonedo) e Melhor roteiro original.

Por que assistir: além de ser uma história real, as cenas de batalha são de tirar o fôlego, Cheadle está explêndido no papel do gerente honesto do hotel e a trilha sonora, com as vozes das crianças do coral africano, dão ao filme um ar de inocência que contrasta perfeitamente com a brutalidade do momento em questão.

Avaliação*: @@@@@ IMPERDÍVEL!!!!!

Trailer:




O JARDINEIRO FIEL ('The Constant Gardener', 2005 )
Drama, 129 min.


Direção: Fernando Meirelles ('Cidade de Deus')
Roteiro: Jeffrey Caine, baseado no original de John Le Carré
Com: Ralph Fiennes, Rachel Weisz e Pete Postlethwaite

Sinopse: Após uma ativista determinada (Weisz) sumir do mapa, seu marido (Fiennes) parte em viagem para descobrir o que realmente aconteceu com ela. Nisso, ele dá de cara com toda a imundície da indústria de remédios e seus laranjas, capazes de tudo para se manterem no poder.

Bastidores:
* Antes de bater o martelo com o diretor brasileiro, os produtores pretendiam dar a direção do longa a Mike Newell, que largou o projeto para dirigir Harry Potter e o Cálice de Fogo;
* Nicole Kidman foi cotada para interpretar a personagem que ficou com Rachel Weisz, mas Fernando Meirelles tesourou por considerá-la too old para o papel;
* Além de Kidman, Eva Green, Natalie Portman, Kate Winslet e Naomi Watts (a predileta de Meirelles, que estava comprometida com King Kong) foram selecionadas para o papel de Tessa, que acabou merecidamente ficando com Weisz.

Oscar: ganhou o de Melhor Atriz Coadjuvante (Rachel Weisz), e foi indicado nas categorias de Melhor roteiro adaptado, Melhor trilha Sonora e Melhor edição.

Por que assistir: se você curte o gênero filme-denúncia e histórias de amor suspeitas, no esquema Machado de Assis, O Jardineiro Fiel é um prato cheio. A direção de Meirelles está ainda melhor que no antológico Cidade de Deus; Fiennes tem atuação arrebatadora e Rachel Weisz está encantadora e sensualíssima no papel da espivetada Tess.

Avaliação: @@@@@ IMPERDÍVEL!!!!!

Trailer:



O ÚLTIMO REI DA ESCÓCIA ('The Last king of Scotland', 2006)
Drama, 121 minutos.


Direção: Kevin MacDonald (estréia)
Roteiro: Jeremy Brock e Peter Morgan, baseado no livro de Giles Foden
Com: Forest Whitaker, James McAvoy e Gillian Anderson.

Sinopse: Um médico escocês recém-formado (McAvoy) é convidado por Idi Amin, um dos mais terríveis ditadores da história da África, para ser seu médico particular. Empolgado com o status da oportunidade e atraído pelo carisma do tirano, ele torna-se seu amigo e conselheiro íntimo, e passa a conhecer a verdadeira cara do governo Amin.

Bastidores:
* O orçamento de O Último Rei da Escócia foi de módicos 6 milhões de dólares;
* Essa é a estréia de Kevin Macdonald na direção de um longa de ficção. Antes, ele dirigiu o documentário Um Dia em Setembro, que ganhou o Oscar em 1999;
* O título do filme é uma referência à mania de grandeza de Idi Amin, que se auto-intitulava, entre outros,"O conquistador do império britânico" e " O senhor de todos os animais da terra e dos peixes do mar";
* Para rodar o filme em Uganda, o diretor Kevin Macdonald e os produtores tiveram que passar por algumas rodadas de negociação com o governo local, para conseguirem a infra-estrutura e cooperação oficial.

Oscar: Ganhou o de Melhor ator (Forest Whitaker)

Por que assistir: a interpretação de Whitaker é assombrosa. Ele rouba a cena sempre que aparece na tela, dispara seu olhar desconfiado e doce com a mesma competência e é extremamente autêntico em suas reações e discursos. McAvoy, muito parecido fisicamente com Elijah Wood, surpreende no papel do médico inocente e sedutor. A sequência final não te deixa nem piscar, tamanha a intensidade imprimida pela soberba direção do estreante MacDonald.

Avaliação: @@@@@ IMPERDÍVEL!!!!!

Trailer:




DIAMANTE DE SANGUE ('Blood Diamond', 2006)
Aventura, 138 minutos.


Direção: Edward Zwick ('O Último Samurai')
Roteiro: Charles Levitt, baseado na história de Charles Levitt e C. Gaby Mitchell
Com: Leonardo DiCaprio, Jennifer Connelly e Djimon Hounson

Sinopse: Um trabalhador local (Hounson) é separado brutalmente de sua família, e levado a um campo de mineração de diamantes, onde encontra uma pedra muito valiosa. Antes de ser preso ele a esconde, e passa a ser alvo de um mercenário sul-africano (DiCaprio), que o ajudará a reaver sua família em troca do diamante.

Bastidores:
*Ao rodar a cena do acidente de carro, Jennifer Connelly sofreu uma contusão no pescoço;
*Russel Crowe foi cogitado para fazer o papel de Danny Archer, que ficou com DiCaprio.

Oscar: recebeu 5 indicações: Melhor Ator (Leonardo DiCaprio), Melhor ator coadjuvante (Djimon Hounson), Melhor edição, Melhor som e Melhor edição de som.

Por que assistir: é de longe o melhor filme de aventura produzido por Hollywood neste século. Repleto de efeitos especiais e explosões, arranca suspiros até dos que torcem o nariz para o gênero. Léo DiCaprio dá show de interpretação na pele do pilantra Archer, e Connelly volta à boa forma após o hiato que sucedeu sua bela participação em 'Uma mente brilhante'. Muito superior a 'Infiltrados', que levou o último Oscar de Melhor filme.

Avaliação: @@@@@ IMPERDÍVEL!!!!!

Trailer:



♠Informações retiradas do site
AdoroCinema


*Avaliação:

@@@@@ = IMPERDÍVEL!!!!!

@@@@ = FILMAÇO!

@@@ = LEGALZINHO...

@@ = PRA PASSAR O TEMPO

@ = NÃO VALE O INGRESSO.


Holly Kiss!!!!

7 de mai de 2009

Grife, gripe, geek, freak

CANSADOS DE SEREM chacotados pelo mundo inteiro por conta da gripe del chiqueiron, os mexicanos resolveram abrasileirar a situação e entrar na brincadeira.

Desde a semana passada, os conterrâneos de Chaves, Quico, Godines e Seu Madruga passaram a desfilar nas ruas com máscaras muy interessantes:


Se a lama virulenta desembarcar por aqui (toc-toc-toc!), aposto em um revival com Feitoca, Ninja do Funk, Scorpion e Sub-Zero.

E você, já escolheu a sua?



4 de mai de 2009

Twitter Comics

AFINAL DE CONTAS, o Twitter veio mesmo pra ficar ou é mais uma modinha da internet que vai para o limbo junto com seus 7 milhões de usuários?

Enquanto revistas, sites e redes de tevê do mundo todo embarcam no vôo do passarinho azul, cartunistas de todos os estilos tiram uma com a cara do bichinho.

A minha opinião?

Estou com os autores desse videozinho aqui.



3 de mai de 2009

EM CARTAZ: Divã


GRAÇAS A DANIEL FILHO e sua franquia 'Se eu fosse você', os investidores do cinema nacional perceberam que dá para fazer sucesso nas telonas sem precisar subir o morro ou ter Xuxa Meneghel e Renato Aragão como protagonistas.

A fórmula cortes rápidos + piadinhas espertas + estrelas da Globo + divulgação em massa em todas as mídias parece que veio mesmo para ficar.

Depois de Tony Pires e Glória Ramos roubarem a cena em dose dupla, chegou a vez de Lília Cabral sair dos núcleos periféricos dos folhetins globais para deitar no divã e assumir a liderança de bilheteria do circuito.


O DIVÃ (2009)
Comédia, 93 minutos.

Site Oficial: clique aqui!
Direção:
José Alvarenja Jr. (' Sai de Baixo', 'Os Normais', 'A Diarista', 'Os Aspones')
Roteiro: Marcelo Saback, baseado no livro de Martha Medeiros
Com: Lilia Cabral, José Mayer, Alexandra Richter, Reynaldo Gianecchini e Cauã Reymond

Resumão: Mercedes (Lília Cabral) é uma mulher casada e com dois filhos que, aos 40 anos, leva uma vida normal. Um dia resolve, só por curiosidade, procurar um analista. Durante as conversas ela acaba descobrindo facetas que desconhecia e se redescobre. A nova Mercedes vem à tona acompanhada de crises no casamento, do desabrochar de seu lado mulher independente e de romances tórridos com garotões, sempre amparada pela inseparável amiga Mônica (Alexandra Richter).

Bastidores:

*'Divã' foi baseado na peça homônima, na qual Lília Cabral e Alexandra Richter interpretavam as mesmas personagens do filme;

*A peça teatral foi um sucesso absoluto: ficou 3 anos em cartaz, teve 150 apresentações e levou mais de 175 mil espectadores ao teatro;

*Apesar da direção ser assinada pelo diretor de televisão José Alvarenga Jr., Lília Cabral teve papel preponderante no desenrolar das cenas;

*O filme está prestes a bater a marca de 2 milhões de espectadores, e já é o recordista de bilheteria do ano;

*Esse é um dos primeiros filmes nacionais que apostou nas Mídias Sociais para divulgação. Através do site, é possível acessar o Blog, o Twitter, o Youtube e as comunidades do filme, que distribuem ingressos para quem ajudar na divulgação.

Por que assistir: seja para ver o que Lília Cabral é capaz de fazer quando lhe dão um papel à sua altura, para se surpreender com a atuação de gala da estreante Alexandra Richter, para se divertir com um lado cômico de José Mayer que poucos conheciam, para constatar que Gianecchini passou de modelete bonitinho a ator de respeito ou simplesmente para curtir um entretenimento de qualidade, 'Divã' é uma grande pedida.

Se grande parte do mérito do filme se deve ao carisma de Lília Cabral, uma boa cota fica com o roteiro. Pautado no texto espirituoso e ágil da gaúcha Martha Medeiros - escritora, cronista e poeta do mais alto quilate - o roteiro é tão certeiro que esconde algumas falhas de produção e edição, fazendo prevalecer o ótimo conteúdo da história de Mercedes.

Dona de casa, professora particular de matemática, pintora e escultora de sua própria história, ela é a síntese da mulher moderna - que apesar de suas fragilidades, encara a vida de frente e não tem medo de ser feliz.

Avaliação: @@@@ FILMAÇO!


Trailer:




*Avaliação:

@@@@@ = IMPERDÍVEL!!!!!
@@@@ = FILMAÇO!
@@@ = É, LEGALZINHO...
@@ = PRA PASSAR O TEMPO
@ = NÃO VALE O INGRESSO.



Crítica completa: clique aqui!





2 de mai de 2009

EM CARTAZ: X-Men Origens: Wolverine


QUANDO VI QUE 'X-MEN', mesmo não sendo lá essas coisas teve direito a bis duplo, imaginei que fosse em pouco tempo ter o mesmo destino que 'Star Wars', cavocando as origens de seus personagens para render novas desforras de bilheteria.

Martelo batido com a Marvel, nada mais natural que o primeiro dos mutantes a ter sua história contada fosse Wolverine, o carro-chefe da franquia. Carismático, sombrio e imprevisível, o homem das garras de adamantium tinha tudo para render um senhor filme, do calibre do último Batman e Homem de Ferro.

Bem, não foi exatamente isso que vi nesse sábado...

X-MEN ORIGENS: WOLVERINE (EUA, 2009)
Aventura, 107 minutos.


Site Oficial: clique aqui!
Direção: Gavin Hood ('Stargate', 'Tsotsi - Infância Roubada')
Roteiro: David Benioff
Com: Hugh Jackman, Liev Schreiber, Danny Huston, Ryan Reynolds, Lynn Collins e Will i Am

Resumão: A história de Wolverine (Jackman) é contada de sua infância traumática ao primeiro contato com os X-Men do professor Xavier. O foco é o começo de sua vida adulta, quando Logan entra para a Equipe X, formada por seu irmão (Schreiber) e outros mutantes que lutam em diversas guerras americanas.

O comandante da equipe é o coronel William Stryker (Danny Huston), que envolve alguns componentes em um projeto secreto de destruição. Aos poucos Logan vai descobrindo os verdadeiros propósitos do coronel e vê que um inevitável confronto com seu irmão se aproxima.

Bastidores:

*Foi Hugh Jackman quem convidou Liev Schreiber a participar de 'X-Men Origens: Wolverine'. Inicialmente a intenção era que ele interpretasse William Stryker, mas o próprio Schreiber ficou mais interessado no personagem Dentes-de-sabre;

*Antes de Hugh Jackman, apenas Christover Reeve interpretou um super-herói dos quadrinhos em quatro filmes seguidos (série Superman);

*Inicialmente Liev Schreiber usaria um traje para simular os músculos, para que seu tipo físico se igualasse ao de Hugh Jackman. Como não se sentiu bem ao utilizá-lo, Schreiber pediu uma chance para que ganhasse músculos através de mudança de dieta e exercícios constantes em academia;

*Pouco menos de um mês antes de seu lançamento nos cinemas uma cópia não finalizada de X-Men Origens: Wolverine foi lançada na internet. Apesar dos inúmeros downloads, houve uma campanha dos próprios fãs para que o filme fosse visto nas salas de cinema.


♠ Informações retiradas do site Adoro Cinema


Por que assistir: se tem lá uma coisa que não é perdida no filme são as atuações de Liev Schreiber e High Jackman. O primeiro incorpora Victor/Dentes de Sabre com perfeição, na dicotomia hiperativa de destruir o mundo e 'proteger' seu irmão mais novo. E Jackman mais uma vez mostra que é um baita ator, mesmo tendo em mãos roteiros pouco inspirados.

Assim como nas comédias românticas que estrelou, em 'Swordfish' e em 'Austrália', ele tem aqui um trabalho indigno de sua grandeza. Mas o ator australiano se esmera na tentativa de construir um Wolverine convincente, e mais uma vez consegue ordenhar a rocha com sucesso.

Para os fãs da série, há ainda a aparição de uma série de Xvedetes: Wade Wilson, Deadpool, Bradley, Raposa Prateada, David North, Agente Zero, Gambit, Elizabeth Howlett, Cyclope e Emma Frost marcam presença na fita. Ainda que de forma discreta e sem brilho, como de fato é o filme.


Avaliação: @@ PRA PASSAR O TEMPO.


Trailer:




Avaliação:

@@@@@ = IMPERDÍVEL!!!!!
@@@@ = FILMAÇO!
@@@ = É, LEGALZINHO...
@@ = PRA PASSAR O TEMPO
@ = NÃO VALE O INGRESSO.


Crítica completa: clique aqui!




Related Posts with Thumbnails