29 de out de 2008

Vale a pena ler de novo: Os inimigos da verdade


Os Inimigos da Verdade
(Martha Medeiros*)


ACABO DE LER um livro espetacular, Quando Nietzsche Chorou, de Irvin Yalom, que narra, em forma romance de ficção, o nascimento da psicanálise. É uma leitura inquietante e ao mesmo tempo acessível, que tem como personagem principal um dos maiores filósofos do século 19. Entre tantas frases geniais, escolhi e comento uma:

"Os inimigos da verdade não são as mentiras, mas as convicções"

Realmente. Nossas convicções é que impedem que a verdade se estabeleça em nossas vidas, são as convicções que nos aprisionam, nos limitam e nos segmentam por grupos, impedindo que a gente desenvolva nossa singularidade.

O amor é eterno: verdade ou mentira?
O amor acaba: verdade ou mentira? São convicções que só podem ser comprovadas quando vivenciadas, e podem ser vivenciadas tanto uma coisa quanto a outra: amores finitos e infinitos. Costumamos teorizar sobre o assunto, mas nossas conclusões são meros chutes, pois os amores não simpatizam nem um pouco com estatísticas e enquadramentos, cada amor é de um jeito.

E seguimos nós: não sou mulher disso, não sou homem daquilo, nasci para ser mãe, não nasci para casar, eu me garanto, eu sei de tudo, aquele ali não presta, aquela outra não vale nada, só quem dá duro é que vence na vida, só os trouxas é que se matam trabalhando, não preciso de terapia, não vivo sem terapia, nasci para brilhar, tudo dá errado pra mim: e todos têm certeza do que estão dizendo - certeza absoluta.

Alguém lá tem certeza do que quer que seja?
Somos todos novatos na vida, cada dia é uma incógnita, podemos ser surpreendidos pelas nossas próprias reações, repensamos mil vezes sobre os mais diversos temas: as ditas "certezas" são apenas escudos que nos protegem de certas mudanças. Mudar é difícil. Crescer é penoso. Olhar para dentro de si mesmo, profundamente, é perturbador.

Não somos todos iguais como damos a entender. Mas vivemos todos de um jeito muito parecido. É mais fácil se manter integrado, é mais seguro saber direitinho quem se é e o que se quer da vida. Eu nunca vou fazer isso, eu jamais terei coragem de fazer aquilo: será mesmo?

Quanto medo das nossas capacidades.
Melhor adotar meia dúzia de convicções, assim fica mais fácil de manter o rumo. Que pode ser o rumo da verdade, mas também da mentira.


* Martha Medeiros é gaúcha arretada, escritora caprichosa, poeta sensível, colunista dos jornais Zero Hora e O Globo e uma das maiores filósofas da crônica moderna. Esse texto foi retirado do livro 'Montanha Russa', uma fabulosa coletânea de crônicas publicadas pela autora entre 2001 e 2003.





2 comentários:

dari_rizzi disse...

engraçado, alguem falou da marta ontem...
engraçado de novo... estou nas ultimas paginas do "Quando Nietzsche Chorou"
realmente um otimo livro..

__
Mudar é difícil. Crescer é penoso. Olhar para dentro de si mesmo, profundamente, é perturbador.
||
\/
mais pura verdade!

mari abdo disse...

Fiquei toda feliz achando q o texto era de um dos pentelhos. Lindo o texto. Certamente é uma frase que merece reflexão.
boa escolha!

Related Posts with Thumbnails