1 de jun de 2008

Morrer é pra quem pode

PEÇO LICENÇA ao Vince, o poeta do Clube, para postar um excerto de Fernando, poeta de raro talento e muito boa Pessoa. Aqui ele mostra - com a destreza daqueles poucos que sabem ser universais e atemporais sem soar intransigentes - como a morte pode ser nossa aliada, e como a partir dela uma sorte de oportunidades podem surgir, muitas convicções podem mudar e novas vidas podem brotar. Boa morte a todos!

Morrer é preciso (FP)

A morte nada mais é do que uma passagem, uma transformação. Não existe planta sem a morte da semente, não existe embrião sem a morte do óvulo e do esperma, não existe borboleta sem a morte da lagarta... A morte nada mais é que o ponto de partida para o início de algo novo, a fronteira entre o passado e o futuro.

Se você quer ser um bom universitário, mate dentro de você o secundarista aéreo que acha que ainda tem muito tempo pela frente. Quer ser um bom profissional? Então mate dentro de você o universitário descomprometido que acha que a vida se resume a estudar só o suficiente para fazer as provas.

Quer ter um bom relacionamento? Então trate de matar o(a) jovem inseguro, ciumento, crítico, exigente, imaturo, egoísta ou o solteiro solto que pensa que pode fazer planos sozinho, sem ter que dividir espaços, projeto e tempo com mais ninguém. Quer ter boas e sinceras amizades? Então mate dentro de si a pessoa insatisfeita e descompromissada, que só pensa em si mesma. Mate a vontade de tentar manipular as pessoas de acordo com a sua conveniência; respeite o jeito de ser de seus amigos, colegas de trabalho e vizinhos.

Enfim... todo processo de evolução exige que matemos o nosso ‘eu passado’, nosso ‘eu inferior’.

E qual o risco de não agirmos assim?

O risco está em tentarmos ser duas pessoas ao mesmo tempo, perdendo o nosso foco, comprometendo nossa produtividade, e, por fim, prejudicando nossa felicidade autêntica. Muitas pessoas não evoluem porque ficam se agarrando ao que eram, não se projetam para o que serão ou desejam ser. Elas querem a nova etapa, sem abrir mão da forma como pensavam ou como agiam; acabam se transformando em projetos acabados, híbridos, adultos infantilizados.

Podemos até agir, às vezes, como meninos e meninas, de tal forma que não mantemos as virtudes de criança que também são necessários nos adultos, como a brincadeira, o sorriso fácil, a vitalidade, criatividade, tolerância etc. Mas, se quisermos ser adultos e encararmos as responsabilidades de peito aberto, devemos necessariamente matar as atitudes infantis e descompromissadas, para passarmos a agir como adultos.

Quer ser alguém (líder, profissional, pai ou mãe, cidadão ou cidadã, amigo ou amiga) melhor e evoluído? Então, o que você precisa matar em si é o medo de mudar, a preguiça de agir e o egocentrismo, para que nasça o ser que você tanto deseja ser.


Pense um pouquinho nisso e morra...
Mas não esqueça de nascer melhor ainda.






5 comentários:

Vince disse...

Precisa pedir licença não, Lee. Vai em frente!

Vickye disse...

Onde eu assino?

MJ disse...

Esse texto é do Fernando Pessoa mesmo??? Tá cuma caaaaaaaaaara de Brandon Lee =D

Kimera Kenaun disse...

ahhhhh....q lindo... amo de paixão o Pessoa, meu poeta favorito, acho...gosto de tantos...

mas qto ao texto... digamos q "falar é fácil", pq é difícil matar alguém, ainda mais nós mesmos... prefiro pensar q mudamos, do que que morremos...

bjão

Mariana Aragão disse...

"Um dia acontece a gente tem que crescer..temos que encarar a responsa"
é isso aii... para cada escolha e decisões temos que muitas vezes tomar um caminho diferente...E renascer a cada dia!

Adorei o post Brandon...
Me fez refletir!
BjoO lindo

Related Posts with Thumbnails